Itália: prisioneiro tentou fugir e quase teve a garganta cortada

Prisioneiros alemães, com fichas de identificação penduradas, são questionados por soldados brasileiros

A propaganda alemã contra os soldados brasileiros era ferrenha. No mais alto grau de difamação, diziam que os brasileiros eram canibais, que matavam e comiam seus inimigos. O Comandante de Pelotão da Companhia de Canhões Anticarros do 1o Regimento de Infantaria, Paulo Campos Paiva, conta um relato interessante de como a propaganda parecia fazer efeito com alguns soldados alemães, que eram incentivados a não se renderem para aqueles pracinhas “bárbaros”.

Acontece que certa feita, uma patrulha fez prisioneiros perto de Monte Castello e foi descendo por um caminho próximo à Casa de Guanella e Pietra Colora, mais ou menos 5,5 km de caminhada. Para continuar a missão, pediram que um dos soldados voltasse com os prisioneiros para a retaguarda. Era um jovem negro quem levaria os tedescos para serem interrogados.

Porém, do outro lado, a Artilharia alemã percebeu o movimento e respondeu com duas ou três granadas, que estouraram bem perto do grupo. Um prisioneiro achou que dava para fugir e saiu correndo. O soldado negro correu atrás dele com uma faca na mão, enquanto os colegas se protegiam com os outros prisioneiros.

O alemão olhou para trás, viu o cara com a faca na mão, talvez lembrou-se da propaganda dos canibais e correu mais ainda, porém, tropeçou e capotou em um baita tombo.

Nisso o brasileiro subiu em cima dele e encostou a faca no pescoço do prisioneiro, já em pânico e chorando.

– Quando eu disser pára, pára, uai! Quando eu disser pára, pára, uai! – gritava o brasileiro.

Um tenente chegou perto, arrancou o soldado de cima e acalmou o jovem trazendo-o de volta à realidade:

– Esse rapaz não está te entendendo, você está falando português, ele é alemão!

Depois disso, ele acabou de levar o grupo para a retaguarda, enquanto a patrulha progrediu para estabelecer contato com o inimigo,

 

Fonte: V de Vitória com informações de História Oral do Exército na Segunda Guerra Mundial, Tomo I. p. 138

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s