Da FEB ao caminhão: a saga de um pracinha que virou empresário

Camilo Cola. Imagem: Divulgação

             Aos 18 anos, Camilo Cola, filho de imigrantes italianos, se alistou na Força Expedicionária Brasileira (FEB). Ele que trabalhava desde cedo como lavrador e também como lavador de carros, viajou para a terra de seus pais para lutar contra as tropas nazistas e fascistas que assombravam o mundo. Atuando pelo Regimento de Infantaria, Cola participou das batalhas de Monte Castelo e de Montese.

                Assistiu aos horrores da guerra, passou frio e viu inúmeros colegas morrerem e serem gravemente feridos. Ao regressar para o Brasil, juntou suas economias e comprou o primeiro caminhão. Era o ponto de partida para o início de uma das maiores empresas de transporte do Brasil, a Itapemirim. A aquisição do caminhão só foi possível graças ao empréstimo financeiro de seu amigo, Fued Nemer. O valor, ao que consta na biografia do próprio Cola, foi pago religiosamente em dia.

                Oficialmente, a empresa foi fundada em 4 de julho de 1953, no município de Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo. A Itapemirim foi pioneira na utilização de ônibus de três eixos no Brasil, o que a própria empresa chamaria mais tarde de Tribus.

                Em 2006, Cola chegou a vencer a eleição para deputado federal pelo estado do Espírito Santo.

                O nome dele chegou a aparecer no relatório final da Comissão Nacional da Verdade (CNV). Camilo Cola foi citado no relatório como “grande contribuinte” no financiamento do Regime Militar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s